quinta-feira, 28 de agosto de 2014

DENTRO DA ATRIUM

Desde terça-feira estou vivendo dentro de uma casa centenária, dentro da Atrium Escola de Música em Resende. A casa é belíssima e emociona. Estou com meu neto Luis e meu neto-cachorro Toffe e ouvi duas aulas de musicalização espetaculares. Numa delas as crianças ouviam a ária do Papageno na Flauta Mágica do Mozart. A escola transborda música por todas as salas. Agora pela manhã veio um casal já mais velho, os dois lindos. O homem fará aula de canto e a senhora de violoncelo.
Pela tarde mudo de canal e vou para a casa que está inaugurando um bistrô francês, o Babel Bistrô e fico com minha netinha Gabriela de 9 meses. Quero que ela guarde uma memória da vovó Roseana. Ela é uma delícia total.
Amanhã vou para a minha casinha na montanha. Tenho um encontro marcado comigo.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

COM OS NETOS

Amanhã vou fazer meu circuito Resende-Mauá, que é o Circuito do Amor, pois vou ao encontro dos meus netos, dos meus filhos e noras-filhas, e da minha irmã Evelyn Kligerman. Levo livros e um espelho que comprei na loja Laço Vermelho da minha amiga Sandra, uma loja também feita com muito amor, sonho de muitos anos. O espelho era meu desejo antigo, a minha casinha da montanha não tinha espelho, eu me olhava no vidro da janela, mas não gostava de nenhum. Tinha que ser estreito para caber num espaço bem pequeno, tinha que combinar com a casa. O que comprei tem a moldura toda de fuxico que amo e minhas colchas são de retalhos da Paula, uma artesã local. Já mandei estas colchas até para a Espanha, alegram qualquer lugar. Então vai ficar o máximo. A casinha tem um conceito, tem que ser de roça. Suas portas e janelas são feitas à mão e as portas são de 1997, são super únicas! Amo a minha casinha com chão de cimento vermelho, de paixão perdida, a casa é quase uma entidade, ela fala comigo. Estou muito feliz com a viagem. Cláudia Simões vai me ver levando as novas ilustrações para o nosso livro para que eu siga trabalhando lá os meus poemas. Volto para Saquarema dia 9 e escreverei quando a internet quiser.

sábado, 23 de agosto de 2014

ENCONTRO COM AS PROFESSORAS

O café da manhã com as professoras na nossa casa foi esplêndido. Eram trinta (poucos homens professores) e a Secretária de Educação Ana Paula e o Vice Secretário Valdinei.Meu amigo Chico Peres , poeta e vereador, veio e participou de tudo como qualquer professor. Conversamos sobre vários educadores no Brasil que fazem um trabalho diferente nas salas de aula, contei o filme que vi, magnífico, Educação.Doc e as experiências das melhores escolas do Brasil em lugares pobres e difíceis e como isso foi conseguido . Uma professora contou que durante 10 anos trabalhou com 40 alunos em círculo , mudando a geografia da sala, mas agora não dá mais tempo de arrumar e desarrumar a sala. Juan falou de como é importante que as crianças e jovens trabalhem em grupos para desenvolver o afeto e a socialização e contou suas próprias experiências quando trabalhava como psicólogo num orfanato em Roma. Li o texto do livro "Fica Comigo" da Patricia de Arias e ouvi as várias belíssimas leituras que o livro despertou.Vanda, nossa caseira, fez um belo depoimento contando como sua auto estima mudou quando foi valorizada.
Depois fizemos exercícios de olhar e de tato com meu livro Cinco Sentidos e foi muito, muito emocionante. Valdinei me entregou o Projeto da Sala de Leitura da E.M. Menaldo Carlos de Magalhães. O Projeto é belíssimo e fiquei radiante pois envolve toda a escola e todos os que trabalham na escola , e repercute nas salas de aula de todos os professores, ou seja, é muito mais do que eu sonhava quando fiz o primeiro trabalho de leitura aqui em Saquarema em 2002. Todas as escolas, Valdinei me contou, estão com belos projetos de leitura. Ana Paula, a Secretária, me contou que haverá uma jornada pedagógica com a Elisa Lucinda e sinto que a Secretaria de Educação já deu um salto muito grande.
Conversamos com a Secretária sobre arte nas escolas, corais, aulas de teatro, dança, cinema, etc, e fica o problema do tempo. Quando seria isso? Por isso considero tão importante escolas em tempo integral para que estas aulas possam acontecer no contratempo das aulas normais. Conversamos sobre desarrumar a geografia das salas e ela ficou e o Valdinei também com uma semente deste desejo. Sinto que no futuro talvez aconteça este salto.
Ela me contou que todas as escolas receberam o Projeto maravilhoso do Governo Federal Mais Educação e falei para os professores que não há desculpas para não ler, já que as Salas de Leitura recebem os livros mais belos do Governo. Sugeri ao Valdinei que as escolas se visitem e ele já está pensando nisso. A partir do Clube de Leitura da E.M Ozires , Projeto da Angela muito bem sucedido, outras escolas estão com Clubes de Leitura. Acho que em breve Saquarema transbordará uma educação de muita qualidade e coragem de fazer diferente. Fiquei radiante e já vamos marcar nosso próximo encontro para setembro. 

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

MADRUGADINHA

Madrugadinha:
Vênus machuca
meu coração
de solidão azul.

in Poemas de Céu, Paulua

Hoje com certeza exagerei. Acordei muito cedo, âs 2.30h. Ainda fiquei na cama, dentro do escuro, pensando. Mas então me levantei mesmo, fiz a mesa, tomei café. Madrugadinha o mar é Imperador. Envolve a casa inteira, explode nas portas e janelas, as madeiras estalam cantam. É uma sensação magnífica.
Alguns livros vivem dentro da gente. Seus personagens se movimentam como pessoas e nos acompanham para sempre. Sou apaixonada por um conto do Joyce, Os Mortos e o filme também é lindo, se chama Os Vivos e os Mortos. Já lemos no Clube. Amo um livro furiosamente, já li muitas e muitas vezes. La vie devant soi, do Émil Ajar. Comprei em português para indicar ao Clube de Leitura, mas a tradução era tão horrorosa que não pude nem ler nem indicar. Uma vez, Bartolomeu Campos fez uma palestra em algum lugar e eu estava na plateia. Ele falou do livro e meu coração voou de felicidade. Então no intervalo fui falar com ele da minha paixão pelo livro. Ele também se emocionou por dividirmos a Madame Rosa e o Momo e então, ele tão tímido fez carinho no meu sapato! Fou a Monica Botkay que me emprestou livro  quando nós duas éramos quase adolescentes! É um dos livros mais belos que já li em toda a minha longa vida. Comprei em Paris em 1994 num sebo na beira do rio. Foi o primeiro livro que vi. Agora não encontro. Perco tudo ou dou tudo e meus livros desaparecem! Agora releio em português Jacques,  o Fatalista de Diderot , um livro inacreditavelmente contemporâneo. Este livro me acompanha desde que eu tinha 20 anos. A tradução não é ruim, acho que o Clube poderia ler. O livro tem um humor imperdível. Diderot era um gênio.
E assim, escrevendo , dentro de pouco a luz pintará o dia na mais linda aquarela. Moro no paraíso , a escolha de viver em Saquarema, assim tão por acaso, foi o maior acerto das nossas vidas, minha e do Juan.
 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

ENCONTRO COM PROFESSORES

Amanhã tenho um encontro com professores na minha casa, um café da manhã. Eu dou o café e o leite e a Secretaria da Educação dá os pães, bolos, sucos. Eu dou a palavra desobediência, a Secretaria dá a palavra obediência.
Vi um filme em episódios, EDUCAÇÃO.DOC mostrando as melhores escolas públicas do Brasil em lugares muito pobres. Como conseguiram? A receita não é difícil, mas somos apegados aos métodos antigos. Em primeiro lugar vem a história do aluno, e ele tem que ajudar a decidir que tipo de escola ele quer. Depois há que trazer a família, a comunidade para participar da escola. Há que ter aulas de arte: música, dança, teatro. É mais fácil produzir conhecimento numa aula de teatro e dança do que numa aula chata. Há que ter muita leitura, muita poesia.  Aulas de afeto, de auto estima. Os professores precisam ser maravilhosos, amar o que fazem. Ouvi Viviane Mosé de quem sou fã, ela costura os episódios. Há que ensinar a pensar. Somos seres pensantes.Ouvi Tião Rocha, que desconstrói tudo para construir uma escola aberta, debaixo das árvores, em qualquer lugar.
Temos que avaliar conhecimento sim, o Ideb é uma grande conquista, mas temos que avaliar os níveis de bem estar e felicidade. As paredes das salas de aula deveriam ter fotos de família. O afeto tem que percorrer todos os espaços para que todos se abracem.
Uma vez por semana , uma professora conta, ela leva música clássica para os alunos. Uma mamãe diz, numa comunidade: minha filha me fala de Tarsila do Amaral! O livro de literatura não pode ser obrigatório, mas deve ser devorado com prazer extremo, cabe ao professor descobrir onde está a chave para conseguir isso.
Quando criança eu não gostava da escola. Já no maternal vomitava todos os dias. Já tinha uma muda de roupa para trocar. Fiz até a terceira série na escola pública Francisco Manoel no Grajaú. A escola dava medo. Depois fui para uma escola judaica fazer a quarta série, Hertzlia e , pasmem, sofri bullying da própria professora. Ela me ridicularizava, os alunos riam. Fui humilhada ao extremo. Tinha medo.
A escola , onde o aluno passa tanto tempo , não pode dar medo. A escola tem que ajudar a transformar as crianças em adultos afetuosos, compreensivos, compassivos, abertos para o novo, prontos para um grande salto.
Amanhã, em nosso encontro, além do café com leite, vamos falar sobre os sentidos, com meu livro Cinco Sentidos. E que a escola seja um espaço para a criação tanto para os alunos quanto para os professores.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

UM DIA INESQUECÍVEL

Esperávamos 32 crianças, mas chegaram 18 entre crianças e adolescentes e um motorista acidentado, pois o painel acima dele caiu na estrada sobre a sua cabeça e foram todos parar num Posto de Saúde. Mas chegaram sãos e salvos num ônibus amarelo pelas mãos da Aurora. Eram lindos e afetuosos, já foram me abraçando e beijando. Fomos para o jardim e estendemos uma colcha grande de retalhos que junto com as flores enchiam o coração da gente de arco-íris. Bia Hetzel e Silvia Negreiros chegaram um pouquinho antes com o Senhor Arnaldo, meu taxista, amigo de longa data. Desde às 5.30h da manhã Vanda preparava o almoço. Acendeu o fogão, feijão preto cozinhando e enchendo a casa com seu perfume.Samuel , nosso jardineiro, ajudou a levar as crianças para o jardim.
Juan, meu marido, participava de tudo maravilhado.
Apresentei alguns livros, brincamos muito de poesia, e os professores e Robson com seu violão , ele veio convidado pela escola, ajudavam a fazer a festa.O Caldeirão da bruxa foi lido por uma aluna que já havia feito isso na escola vestida de bruxa, mas Silvia emprestou seu xale. Fizemos juntos algumas bruxarias. Fizemos uma orquestra noturna com meu livro Caixinha de Música. As crianças viraram macaquinhos na floresta com meu poema "Cada Macaco No Seu Galho" que a Bia leu do meu livro "Quem vê cara não vê coração".
Depois o momento da Bia e Silvia distribuírem os belíssimos livros da Manati. Cada um escolheu um livro e depois quiseram trocar todos. Foi um troca-troca.
A varanda parecia um restaurante todo colorido com mesinhas azuis e mesinhas brancas e toalhas floridas.
A comida maravilhosa da Vanda foi servida no fogão de lenha.
Era lindo ver todo mundo sentado ocupando a varanda inteira. Todos queriam morar aqui, na casa amarela , pois haviam lido o e-book que está no site "A bruxa da Casa Amarela".
As mães mandaram sobremesas variadas.
E finalmente o momento de ir até o mar. Que festa!!! Cataram conchas e muitos quiseram levar até areia!
E depois os autógrafos! Quiseram autógrafos de todo mundo, até do Samuel e da Vanda!
Na despedida dentro do ônibus abraços e muitos beijos. A E.M Professora Leopoldina de Barros , de Nova Iguaçú me presenteou com uma colcha maravilhosa que as crianças fizeram e desenharam, um livro com um pouco da história de Nova Iguaçu e uma geleia de cajá, a fruta colhida de uma árvore da própria escola. Acho que todos levaram para casa Saquarema e a Casa Amarela no coração.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

AULAS DE IALIANO

Ontem foi meu primeiro dia de aulas de italiano em casa com a Professora Selmar que viveu 22 anos na Itália e agora mora em Saquarema. Ele me perguntou:
_ Por que quer aprender italiano?
Bela pergunta. Falar italiano não servirá para nada prático, mas, maravilha das maravilhas, encherá meu coração de alegria! Acho muito importante que cada pessoa faça algo que ame por puro prazer. Plantar, pintar, fazer aulas de canto, cerâmica, cozinha e muitos etcéteras. Eu faria aulas de dança se minha coluna me deixasse dançar. É também uma das minhas paixões.Mas voltando ao italiano, já falo alguma coisa, muito mal, mas já consigo ler meu primeiro livro. Havia começado um muito difícil e desistido, mas agora leio um livro lindo e fácil de um sociólogo chamado Alberoni sobre a amizade. Selmar me diz que ele é muito conhecido na Itália. Adquirir uma língua é difícil, mas lá no final da estrada um mundo nos é presenteado. E para prevenir doenças cerebrais acho muito melhor do que fazer palavras cruzadas! Ler e aprender uma língua espero que me proteja da única doença que me dá pavor, nem vou falar o nome , mas os médicos chamam de "alemão". Quero ficar lúcida até o final dos tempos, do meu tempo.

Espero as crianças de Nova Iguaçu. Sem a ajuda da Vanda, minha caseira, amiga e parceira em tudo, nada disso poderia estar acontecendo. E do Samuel, nosso jardineiro que nos dá um suporte imenso.
O fogão já está aceso e a comida no fogo. Dentro de pouco arrumaremos as mesinhas que aluguei. Mandei fazer toalhas de chitão florido, ficaram lindas.E que as cores e a alegria das crianças e das minhas amigas Bia e Silvia encham a casa de alegria!

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

PROJETO CAFÉ, PÃO E TEXTO

Amanhã recebo uma escola de Nova Iguaçu pelas mãos da Professora Aurora Lopes Lopes . Seremos 40 pessoas almoçando na minha varanda. Rezo para não chover. Para tudo dar certo. Minhas editoras da Manati Produções Editoriais virão com livros para as crianças, assim como já veio a
Carolina Braga Malacco da Editora Rovelle cheia de livros. Fico nervosa como se fosse fazer uma grande estreia de um grande espetáculo. Quero que as crianças amem. Vou apresentar alguns livros meus para eles, vamos fazer uma linda manhã de poesia! E que eles guardem o tempo do nosso encontro numa caixinha de felicidades.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

SÉCULO XIX ; SÉCULO XXI

Maria Neuza Guadalupe me enviou um vídeo onde grandes pensadores sobre a educação no Brasil falam e propõem novas maneiras de fazer a escola, já que a taxa de evasão é imensa, a escola não interessa mais aos alunos quando passam para as classes mais adiantadas, quando vão crescendo e descobrindo o mundo. Já não me lembro mais quem disse, mas muitos já disseram o mesmo: se alguém do século dezenove entrasse numa sala de aula hoje, no século vinte e um, estaria em casa: alunos uniformizados, uma carteira atrás da outra, quadro negro, giz, lista de chamada, silêncio e muitas vezes gritos do professor. Só que a cabeça dos alunos, ela diz, está no século vinte e um e não no dezenove. Hoje a casa de cada um é também o mundo inteiro, com toda a tecnologia. Professores hoje precisam trabalhar com todas as dimensões do ser humano, eles dizem no vídeo, e eu sempre disse. Há que tocar o melhor que cada um leva dentro de si como um tesouro, para que possa expandir suas potencialidades.
Estou fazendo encontros mensais na minha casa com professores da Rede Municipal de Saquarema, em parceria com a Secretaria de Educação e às vezes me pego pensando: Para que? Se a escola não mudar, os professores irão mudar? É tanto tempo nas escolas totalmente desperdiçado!Mas sim, o professor pode mudar e espero que nossos encontros façam diferença.
Convido cada professor a fazer a sua própria revolução em silêncio, a desobedecer e criar. O ser humano brilha quando cria. Crie com seus alunos. Seja mais parceiro que professor. Compartilhe todos os seus conhecimentos, o que a vida tem lhe ensinado. Não se esqueça que já foi criança, que já foi adolescente.
Enquanto a escola não muda, faça a sua pequena mudança. Ela fará diferença para alguém.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A MAIS LINDA LIÇÃO

Eduardo Campos nos deixa a mais linda lição: ele ensinou a conviver com as diferenças. Ele era cristão, Marina evangélica. As crenças políticas dos dois eram distintas. No entanto, superou as diferenças criando uma aliança inesperada e quando todos apostavam que não seria possível a convivência entre ele e ela, o que se via era uma grande cumplicidade e um projeto costurado em paz, para o Brasil. Num Brasil onde a política assume as piores feições, onde se quer exterminar quem não pensa igual, o legado de Eduardo Campos pode ser o farol para uma grande mudança, Assumir uma cultura de paz implica em aceitar quem pensa diferente, quem tem outra religião, quem come carne, quem é vegetariano, quem é assim ou assado e etc, etc.
Poucas vezes me senti mais triste do que com a perda de Eduardo Campos, pela sua família, por seus amigos, pelos seus sonhos, pelo Brasil.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

IMAGENS

Ultimamente as imagens que inundam nossos olhos são de crianças em situações extremas.
A intolerância em alguns lugares do mundo agora é a lei. Quem não sou eu, não pensa como eu penso, não professa a minha fé, não é da minha etnia, deve desaparecer, deve ser exterminado. A intolerância é o vírus do mal  e devemos , nós mesmos, lutar contra ele com todas as nossas forças e nossa racionalidade e nossa bondade.
O outro não sou eu!!! E tem todo o direito de fazer tudo diferente de mim. E pensar diferente, ter outras convicções políticas, sexuais, gostar de outras cores, ter outra cor de pele. As crianças são vítimas apenas porque são filhas de pais diferentes dos agressores. E quando vejo pezinhos que fogem, deixando suas casas, suas vidas, meu coração quebra. 

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

VIVER AGORA

Meu neto um dia me perguntou:
_ Vovó, amanhã é hoje?
É uma pergunta muito difícil. Porque amanhã , quando chegar, será hoje.
Viver aqui e agora em sua totalidade é tarefa muito árdua, é o princípio da felicidade e do bem estar. Já que vivendo qualquer momento em sua plenitude, ficamos em paz. E se o momento for insuportável, de muito sofrimento, temos o lago profundo da nossa memória. Sempre é possível mergulhar.Mas o futuro, quando chegar, será hoje.
Não podemos parar o tempo. Mas podemos estar totalmente dentro do tempo e não em sua superfície. 

domingo, 10 de agosto de 2014

COISAS QUE ANDAM JUNTAS

Algumas coisas andam juntas: café com leite, goiabada com queijo, morango com creme e dizem os espanhóis, uvas com beijos. Mas infelizmente, religião e guerra.
A África foi convertida ao islamismo à força, com muito sangue derramado e suas religiões ancestrais, antiquíssimas, foram destruídas . Os extremistas sempre existiram no Islã e não admitem outras crenças. O cristianismo matou milhares de pessoas com sua fé cega. As fogueiras , as torturas, intolerância total com as outras crenças. Hoje, o Islã crucifica cristãos no Iraque. Na Irlanda católicos e protestantes se matavam incessantemente. Em Israel os extremistas judeus não querem converter ninguém, o judaísmo não converte, mas gostaria que os palestinos desaparecessem da face da Terra. No Brasil os evangélicos perseguem os umbandistas e o povo do candomblé. Influenciam as escolas e gostariam que o Brasil inteiro fosse evangélico. Chegará o dia, neste século XXI , em que as pessoas poderão ser livres em sua fé?   Por que, sendo a minha fé diferente da fé do meu vizinho ele se sente tão incomodado? Como é bela a diversidade. Como é triste um bosque inteiro só de eucaliptos. Nele a vida não viceja. O solo se torna um deserto.
Aceitar o outro com suas diferenças teria que ser tema diário nas escolas. 

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

REFLEXÕES DE UM PAI JUDEU

Recebi um artigo de Gustavo Ioschpe, que não conheço e nem sei onde foi publicado. Por ser o espelho fiel de tudo o que penso em relação a Israel e Palestina, transcrevo:
"
Eu vou todos os anos para Israel. É um país incrível. Tem a 25ª mais alta renda per capita do mundo, com 36.000 dólares ao ano, à frente da média da União Europeia e mais de três vezes superior à brasileira (11.000 dólares ao ano). Já ganhou doze prêmios Nobel - tem mais prêmios Nobel por habitante do que a Alemanha, Estados Unidos e França. Israel tem excelentes museus, uma das melhores orquestras filarmônicas do mundo, grandes cineastas (Amos Gitai, Dror Moreh, Ari Folman), escritores magistrais (Amos Oz, David Grossman, S.Y. Agnon, A.B. Yehoshua...), músicos fantásticos. Apesar do seu tamanho minúsculo, é o terceiro país com mais empresas listadas na Nasdaq, a bolsa de empresas de tecnologia, atrás apenas dos EUA e da China. O primeiro serviço de instant messaging, ICQ, é de uma empresa israelense. O Waze também. A Teva, maior empresa do mundo de medicamentos genéricos, é de lá. O país tem grandes restaurantes, um Parlamento vibrante, vida noturna intensa. Tel Aviv poderia ser colocada em qualquer país europeu e o turista não saberia a diferença.
Que tudo isso tenh e completoa sido gerado por um país de 20 mil quilômetros quadrados (um pouco menor que Sergipe) fundado em 1948 já seria surpreendente; tendo acontecido sob constantes ataques em guerras e atentados terroristas e acolhendo milhões de imigrantes ao longo de décadas, é algo que aqueles com pendores religiosos poderiam chamar de milagre. Cercado por todas essas opulentas vitórias e conquistas, é perdoável que os visitantes estrangeiros e os próprios israelenses não consigam fazer o esforço sobre-humano de notar que, mantido o atual caminho, o país ruma para o suicídio.
Conflito -- A atual campanha de Gaza apenas reforça alguns pontos nos quais acredito há muitos anos. Primeiro: Israel não pode vencer o conflito com os palestinos militarmente sem que se torne um pária entre as nações. Porque a única maneira militar de acabar com o terrorismo dos radicais do Hamas seria dizimar todo o povo palestino.  Algo inconcebível. Enquanto houver palestinos vivos, eles vão querer ter um Estado – uma aspiração que o povo judeu, apátrida por dois milênios, certamente entende bem, e cuja legitimidade é inquestionável.
Eu acompanho esse conflito com lupa há pelo menos vinte anos. Já nem me recordo mais a quantidade de vezes que os comentaristas militares israelenses e seus apoiadores disseram que uma certa ação militar ou o assassinato de um líder do Hamas (Yehia Ayash, Ahmed Yassin, Abdel Aziz al-Rantissi, Salah Shahade, Ahmed Jaabari) daria o “golpe definitivo”.  Mas o enredo é sempre o mesmo: centenas ou milhares de palestinos inocentes são assassinados, casas são destruídas, mísseis explodidos, soldados e civis israelenses morrem e, assim que as operações acabam, a preparação para o próximo conflito começa. Com um saldo sempre negativo para Israel. A operação Chumbo Fundido, de 2008-09, matou entre 1.166 e 1.417 palestinos e treze israelenses.
A operação atual, no momento em que escrevo essas linhas, já custou a vida de 1.492 palestinos e 66 israelenses, além de um soldado sequestrado. A imagem internacional do país se deteriorou sensivelmente de lá pra cá. Chama a atenção que os defensores dessa operação não percebam a sua inutilidade: Israel está usando todo o aparato bélico de que o século XXI dispõe para...enterrar túneis (?!). Túneis que podem ser feitos com pás e um pouco de cimento e que certamente começarão a ser cavados novamente assim que o conflito terminar. É óbvio que Israel precisa se defender dos foguetes e não permitir túneis adentrando seu território, como é óbvio não ser possível eliminá-los militarmente.
Guerrilha -- Muito tem se escrito, nos últimos dias, sobre a indecência do comportamento do Hamas, que estaria vitimando seus concidadãos de propósito para danificar a imagem de Israel. Do outro lado, há aqueles que acusam Israel de “genocídio” e imaginam que o objetivo da ação é matar o maior número possível de palestinos. Não pretendo me ater a teorias e gostaria de ficar no terreno do que considero obviedades. A primeira é que, se os palestinos não podem ter Exército e não conseguem obter concessões pela via da negociação, sua arma será o terrorismo, por não terem outra. A segunda é que terroristas são o que de pior a humanidade produz, e os militantes do Hamas, e sua ideologia, são asquerosos, racistas, desumanos, torpes. A terceira, derivada das duas acima, é que um Exército nacional não pode lutar contra e vencer uma milícia terrorista sem que adote suas táticas, coisa que um Exército nacional não pode fazer. É por isso que os americanos não ganharam no Vietnã nem os franceses na Argélia, e é por isso que o exército israelense não ganhará em Gaza, se por “vitória” entendermos uma ação militar que gere uma paz duradoura.
Não entendo essas pessoas que ficam apontando as atrocidades do Hamas. Ninguém, em sã consciência, acha que essa é uma organização digna e honrada. O que essas pessoas esperam? Que ao denunciar as vilezas do Hamas seus militantes comecem a guerrear de acordo com as Convenções de Genebra?! Não vai acontecer. Que a população de Gaza se insurja contra o Hamas e entenda as razões israelenses para matar centenas de mulheres e crianças, e aceitem o bloqueio marítimo, terrestre e aéreo que Israel impõe a Gaza de maneira resignada? Não vai acontecer. Que a comunidade internacional aceite a morte de centenas de inocentes porque os militantes do Hamas estão jogando foguetes contra cidades israelenses? Não vai acontecer.
O segundo fato, portanto, que essa operação deixa claro é que o problema israelo-palestino precisa ser resolvido na mesa de negociação. Essa, aliás, é a única forma de derrotar o Hamas: mostrar aos palestinos que o terrorismo não leva a nada e que o caminho dos moderados traz resultados. Aqui os defensores de Israel repetem mais uma frase sem sentido, que vem dos partidos da direita israelense: a de que não há parceiro para a paz, de que os palestinos não reconhecem a existência de Israel, de que todos os árabes – ou todo o mundo, dependendo do nível de paranoia do interlocutor – quer jogar os judeus ao mar. Assim sendo, não há nada a fazer, além daquilo que os militares israelenses chamam de “aparar a grama”: ações militares periódicas que causam bastante morte e destruição e retardam em alguns anos o fortalecimento das milícias palestinas. (Esse linguajar desumano, inaceitável, já é um indício de uma brutalização da sociedade israelense e de grande parte da comunidade judaica, que comento a seguir).
Pra ser sincero, acho essa visão equivocada. Ela emana do pecado original do sionismo: a ideia, difundida nos primórdios do movimento, de que a criação do Estado judeu na Palestina histórica era dar “um povo sem terra para uma terra sem povo”. Ocorre que a segunda metade da frase é falsa: havia milhares de palestinos morando, há séculos, nas terras sagradas do judaísmo. Eu entendo perfeitamente que um povo perseguido por milênios e tendo recentemente saído do Holocausto não tenha podido demonstrar empatia para com o sofrimento dos palestinos naquela época - mas não hoje. Também entendo que os palestinos não tenham aceitado a presença judaica em terras que percebiam como suas. Como bem disse David Ben-Gurion, primeiro premiê israelense: “Se eu fosse um líder árabe, eu jamais assinaria um acordo de paz com Israel. É normal, nós tomamos o país deles. É verdade que Deus prometeu-o a nós, mas o que eles têm a ver com isso? Nosso Deus não é o deles. O único que eles veem é: nós viemos aqui e roubamos o seu país. Por que eles deveriam aceitar isso?”
História -- Os palestinos e os vizinhos árabes cometeram um erro histórico ao não aceitar o plano de partilha da ONU em 1947 e declarar guerra a Israel em 1948. Pagaram por esse erro com uma derrota fragorosa, exílio e morte, naquilo que chamam de “Naqba” (“Catástrofe”), e continuam pagando até hoje. Em 1947 eles lutavam por 100% da terra. Agora lutam por apenas 22%, a área correspondente à Cisjordânia e Faixa de Gaza.  A ideia de que não há parceiro do outro lado deriva da ideia de que os palestinos rejeitaram ofertas “generosas” de Israel, que previam a devolução de até 95% dos territórios ocupados. Mas mesmo para os palestinos moderados, qualquer coisa que não seja a totalidade dos 22% que lhes restaram é um insulto. Não haverá paz enquanto todos os territórios não forem devolvidos.
Há várias propostas na mesa que chegam muito perto do fim do conflito, como o que foi negociado em Taba em 2001, a Iniciativa de Genebra de 2003, a proposta da Liga Árabe de 2002. Creio que um governo israelense com respaldo popular para chegar a um acordo conseguiria concluí-lo em poucos meses de negociação. A questão que parece mais espinhosa é provavelmente o direito de retorno dos refugiados palestinos, mas ao contrário do que os radicais israelenses espalham, 90% dentre eles não querem voltar para o Estado judeu, e sim para um eventual Estado palestino. Se você tem dúvida sobre a confiabilidade da informação, vale dizer que ela foi auferida por um pesquisador palestino que, ao divulgá-la, teve seu escritório depredado por seus conterrâneos radicais (esse dado, assim como todos os outros mencionados ao longo deste artigo, estão disponíveis em twitter.com/gioschpe).
Cenário -- Creio que a maior oposição a um acordo justo e duradouro venha do atual governo israelense, que acredita na manutenção do status quo, talvez desejando que em algum momento os palestinos desistam de suas aspirações ou que alguma mudança radical aconteça no Oriente Médio (muitos ainda imaginam que algum dia será possível fazer um Estado palestino na Jordânia...). Creio que quem analisa os dados friamente, e não através do prisma do pensamento mágico, haverá de concluir que a passagem do tempo é altamente contrária ao interesse israelense. Por quatro motivos: demográfico, geopolítico, sociológico e de relações internacionais.
Demográfico: em Israel, hoje, aproximadamente 75% da população é judia e 21% é árabe. Dentro da população judia, os ortodoxos representam 10% do total. Mas, devido ao diferencial de fertilidade – 7 filhos por mulher ortodoxa versus 2,3 para as judias não-ortodoxas – hoje os religiosos são 20% da população judia com menos de 20 anos. Em 2050, a projeção demográfica é de que os religiosos representem 30% da população judia. Os árabes israelenses também têm fertilidade mais alta do que os judeus não-religiosos: 3,5 filhos por mulher, versus 3,0 para a população judia como um todo. Ou seja, a proporção de árabes e ortodoxos aumenta e a de judeus não-religiosos diminui. Se já é difícil chegar a um consenso hoje, imagine quando talvez a maioria da população for composta de judeus ortodoxos e árabes. Além disso, há a população palestina nos territórios ocupados. Se a incluirmos, hoje temos aproximadamente 12 milhões de pessoas vivendo entre o rio Jordão e o Mediterrâneo. 52% desses são judeus e 45% árabes. Segundo o demógrafo Sergio Della Pergola, da Universidade Hebraica de Jerusalém, essa proporção se inverte em poucos anos; em 2030 os palestinos representarão 56% da população. Imagine se a Autoridade Palestina se dissolver e Israel voltar a ter controle legal sobre toda essa população...
Geopolítico: hoje Israel consegue manter o status quo porque os Estados Unidos oferecem apoio diplomático – vetando sanções no Conselho de Segurança da ONU, por exemplo – e militar. Com o fim da Guerra Fria, caiu a razão estratégica para o apoio americano. Com a descoberta do gás de xisto americano e a reduzida dependência deste país do petróleo do Oriente Médio, a razão econômica também se enfraqueceu. Resta a motivação da política interna, com a pressão da comunidade judaica e, em menor escala, evangélica em favor de Israel. Mas, como mostram críticos como Peter Beinart, o apoio da juventude judaica americana a Israel é menor do que a da geração de seus pais. Mas mesmo que, apesar de todos esses fatores, o apoio americano continue firme e forte (o que me parece improvável), é difícil que ele seja suficiente em um mundo que caminha para a bipolaridade, com a China ocupando o posto de maior economia mundial. A China não tem, nem nunca teve, uma comunidade judaica expressiva. Não é, nem nunca foi, uma democracia. Com 69 carros por 1.000 habitantes (vs. 786 nos EUA) e poucas reservas de petróleo, é difícil de se imaginar que a China irá se alinhar com Israel e não os países árabes. No próprio Oriente Médio, a Primavera Árabe foi mais um sinal de alerta. Quando as populações árabes depuseram seus ditadores militares, em alguns casos escolheram movimentos radicais islâmicos em seus lugares. Quando o Egito foi governado pela Irmandade Muçulmana, houve grande cumplicidade entre o presidente Mursi e o Hamas, incluindo o tráfico de armas. Se a situação de hoje é difícil, o que acontecerá se o Egito voltar a ser governado pela Irmandade, o Líbano pelo Hezbollah, a Síria e o Iraque pelo Isis?
Sociológico: a ocupação militar de outro povo corrói uma nação democrática. É difícil se imaginar que um jovem israelense passe três anos (o período do serviço militar obrigatório para os judeus israelenses; mulheres servem dois anos) suprimindo a liberdade alheia e depois transforme-se em um democrata exemplar. O filósofo israelense Yeshayahu Leibowitz escreveu essas palavras proféticas em um ensaio de 1968, enquanto a população israelense ainda estava embevecida com as conquistas territoriais do ano anterior: “Um Estado dominando uma população hostil de [à época] 1,5 a 2 milhões de estrangeiros necessariamente se tornará um Estado policialesco, com todas as consequências que isso traz para a educação, liberdade de expressão e instituições democráticas. A degeneração característica de todo regime colonial também prevalecerá no Estado de Israel.” Assim está sendo. Atualmente, manifestantes contrários à campanha de Gaza têm sido espancados por militantes de direita e até presos pela polícia. Os apoiadores da ação militar vão às ruas cantando, abertamente, “Morte aos árabes!” e “Morte aos esquerdistas!”. Não é preciso um PhD em Ciência Política para saber que esse ódio e sectarismo são sinais de uma profunda falência democrática, normalmente vista apenas em períodos pré-convulsão civil.
Comunidade internacional -- Por último, e talvez mais importante, Israel está virando um pária aos olhos da comunidade internacional. É o único país que domina outra população, e é a única democracia ocidental que desrespeita leis internacionais, impõe bloqueios a outro povo, causando enormes dificuldades e sofrimento desde 1967. Muitos judeus veem nesses ataques da opinião internacional o espectro do antissemitismo e até do nazismo, como se criticar o governo israelense fosse sempre uma versão sublimada de ódio antissemita. Discordo, mas não vou entrar nessa discussão. Atenho-me ao fato: a percepção de Israel na comunidade internacional está em queda livre desde a segunda intifada. Já há vários países, ONGs, universidades e igrejas que boicotam o país e incentivam seus membros a não comprar produtos ou ações de companhias israelenses.
Para um país minúsculo em estado de conflagração com quase todos os seus vizinhos, é impossível para Israel manter o seu nível de desenvolvimento caso as sanções da comunidade internacional evoluam para um boicote do estilo imposto à África do Sul da época do apartheid. Pode ser que os esforços propagandísticos do governo israelense surtam efeito, mas eu duvido fortemente que – por mais que o Hamas seja odiado – a comunidade internacional tolere a morte e as privações que as ações israelenses vêm impondo aos civis palestinos.
Israel -- Quero concluir com uma experiência muito pessoal. Nessas férias de julho, minha mulher, israelense, foi com nossos filhos visitar sua família, perto de Tel Aviv. Eu não pude ir, por motivos de trabalho. Eles chegaram lá no segundo dia da operação em Gaza e ficaram por duas semanas. Como os que me leem devem saber, considero-me um racionalista, humanista e pacifista. Desde a adolescência. Pois quando minha mulher me contou que teve de ir, junto com os nossos filhos, para um abrigo antiaéreo para se proteger dos foguetes do Hamas, durante algumas horas eu pensei com o fígado, e tive vontade de que o exército israelense despejasse sobre Gaza todo tipo de armamentos, nas quantidades que fossem necessárias, para que os foguetes parassem de cair e eu pudesse ter os meus de volta e em segurança.
Comecei a sair desse estupor ao ver o indescritível sofrimento de pais e familiares que tiveram seus filhos destroçados pelos mísseis que eu desejara que caíssem sobre eles. Antes de ser um judeu sionista sou um ser humano, e por ser humano e pai consigo sentir a dor que acomete um pai que precisa viver como realidade aquilo que, como um mero temor, já me causara tamanha angústia. Se eu tive esse acesso de bile mesmo morando a milhares de quilômetros de distância e tendo familiares no conflito por duas semanas, posso imaginar como se sentem os israelenses que passam por isso, constantemente, há anos. E, ainda mais, o que passa pela cabeça dos habitantes de Gaza, cujo sofrimento é infinitamente maior. Consolidou-se em mim a crença de que esses dois povos, sozinhos, não conseguirão superar seus ódios e medos e chegar a um acordo de paz justo e duradouro.
Caminhos -- Hoje, acredito que Israel tem apenas três alternativas. A primeira é seguir o caminho atual, e confiar em sua supremacia militar e na aliança com o poder hegemônico. Esse é um caminho que, no curto prazo, vai levar apenas a mais conflito, mais mortes, mais isolamento externo e rupturas internas. No longo prazo, tende a levar a um segundo Holocausto. Quem conhece História sabe que o atual atraso econômico e militar do mundo árabe é uma aberração. Enquanto as potências ocidentais de hoje chafurdavam nas trevas da Idade Média, povos árabes representavam a vanguarda do conhecimento e da riqueza. Voltemos mais alguns milênios no tempo e veremos os judeus como escravos do faraó egípcio. Em algum momento esse pêndulo há de fazer o movimento inverso; se a vida dos israelenses depende apenas da supremacia tecnológica, o fim desta trará a extinção daquela.
Os outros dois caminhos envolvem um acordo de paz sendo imposto pela comunidade internacional. Minha única dúvida é se essa imposição virá dos amigos de Israel ou de seus inimigos. Se vier dos inimigos significará que o país foi subjugado pela pressão/boicote internacional. Para chegar a esse ponto, significará que Israel perdeu todo seu apoio internacional. O conflito interno será tremendo, e os termos de um acordo com os palestinos e demais países árabes serão francamente desfavoráveis aos israelenses, talvez exigindo reparações financeiras exorbitantes, perda de território, incorporação de refugiados. Talvez nesse cenário o país sobreviva, mas duvido que como uma democracia plena, com pujança econômica.
O terceiro cenário é aquele em que um acordo de paz é estimulado pelos amigos de Israel, notadamente os Estados Unidos e a comunidade judaica internacional. Esse seria um acordo em uma posição de força, que permitiria um entendimento justo e o fim das hostilidades, e liberaria Israel para continuar seu caminho de desenvolvimento econômico e social. Entendo que muitos judeus e sionistas não-judeus acham que o melhor que podem fazer por Israel é dar apoio incondicional a qualquer ação de qualquer governo. Respeito essa opinião, apesar de saber que aqueles que a professam provavelmente não respeitam a minha. Mas gostaria de, respeitosamente, discordar. Pessoas tomam péssimas decisões sobre suas vidas, e países, mesmo democráticos, também escolhem líderes errados e políticas ineptas. Algumas pessoas acham que os verdadeiros amigos apoiam qualquer sandice e são só elogios. Já eu acredito que os verdadeiros amigos são aqueles que criticam quando acreditam que a crítica é necessária, que falam as verdades duras. Hoje eu acredito que aqueles que apoiam uma política cujo resultado é a inércia diplomática e o crescimento exponencial de cadáveres de inocentes são os que, inadvertidamente, enterram a paz e levam Israel e os palestinos a um beco sem saída.
Para terminar, preciso confessar que não tenho certezas. Talvez já tenhamos atravessado o Rubicão. Talvez os ódios já sejam insuperáveis. O que significa dizer que talvez, mesmo depois de concluído um acordo de paz justo, os foguetes continuem a cair em Israel. Talvez esse conflito seja sobre mais do que terra, como quer a direita israelense. Pode ser. Mas prefiro tentar o caminho do entendimento e da justiça, que tem alguma chance de fracasso, do que persistir no caminho atual, cuja chance de sucesso é zero. E prefiro que os foguetes venham agora, quando Israel e o povo judeu têm uma capacidade de reação que nunca tiveram em toda a sua milenar história, do que em um momento em que já não nos restará mais nenhum cartucho, nem nenhum aliado."
 

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

ÂNCORAS

Nossos filhos, netos, irmãos, irmãs, companheiros, sobrinhos, amigos, leitores, são nossas âncoras de luz,  nos prendem à Terra e ao mesmo tempo nos fazem voar. Tecem ao nosso redor uma mandala contínua de amor. Para eles vivo , caminho, respiro, sonho os meus e os seus sonhos. Meus filhos e netos, minha irmã, sobrinhas, moram longe, tantos amigos moram longe, mas nem preciso atravessar a rua. Estão sempre comigo, nos bolsos, na bolsa, nas unhas, nos cabelos. Sinto o meu amor por todos como uma água que jorra caudalosa e limpa, sai direto da minha alma (que não sei onde fica dentro de mim).
Hoje é quinta-feira, um bom dia para fazer declarações de amor. Todos os dias.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

MEU NETO E O CACHORRINHO

Meu neto ganhou de presente de aniversário um filhotinho de boxer de 2 meses. O universo conspirou e me ofereceu a dádiva de estar presente a tão grande acontecimento, um cataclismo dentro da alma do meu neto, um furacão. Estávamos os dois abraçadinhos no sofá-cama vendo Bambi, o lindo filme que habitou a minha infância, quando seus pais saíram para fazer alguma coisa . Seria uma surpresa. Quando o cachorrinho chegou nos braços do papai, a emoção do meu neto era intraduzível. Nenhuma língua do mundo ou poema poderia dizer. Agora ele já tem nome, é o Toffe , não sei se é assim que se escreve.E como meu neto não tem irmão , ele é o seu irmão e eu sou a avó. Comunico então aos meus amados leitores que tenho um netinho novo, um lindo boxer , calmo, encantador. Ele está aprendendo judô com o Luis, o que é ótimo para a minha coluna, pois não preciso lutar com o Luis. Às vezes o Toffe também vira samurai e já anda de carro, no banco de trás com cinto de segurança ao lado do Luis, isso me contaram, eu não vi, mas como queria ver!
Não há nada mais maravilhoso para uma criança do que ter um bichinho para amar, agarrar, cuidar, cheirar, dividir, somar.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

NÓS

Nós não somos apenas eu e você e todos. Podem ser , mudando a categoria gramatical, os nós de uma corda. De uma fita de seda. Os nós que atam um embrulho de presente para quem a gente ama. O que amarra. Nós, eu e você e todos os humanos estamos amarrados por algum laço, com um nó bem forte. E se damos um abraço apertado fazemos um nó com os braços para que ocupemos totalmente este pequeno espaço que existe entre nós. Entre um humano e outro não deveria haver ódio, apenas amor , a compreensão de que somos frágeis e finitos e que não precisamos matar, pois de qualquer maneira a morte nos espreita, é nossa companheira.

NÓS
Quando repentinamente
olhamos para trás
e nossos pés flutuam
sobre as pegadas
dos que nos antecederam
e nos sentimos a corda
de uma grossa cadeia,
aprendemos que tudo
que é o outro
somos nós.

in Cinco Sentidos e Outros, ed. Lê.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

PRA FALAR COM DEUS

O encontro de casa pessoa com a divindade é único e particular. E cada religião, na essência, pode ser bela.
Não é necessário que tenhamos templos para rezar. O divino está em todos os lugares e gestos e as palavras, quando verdadeiras são sagradas. Para cada um Deus tem uma face. Eu, por exemplo, não consigo acreditar num Deus que pede guerra, cruel, vingativo, um Deus que se alimenta de sangue. Não consigo acreditar num Deus que atende uns, abandona outros. Não sei em que acredito. No amor? Numa força que jorra do universo? Meu encontro com o divino acontece a toda hora, cada vez que me emociono, no silêncio, na meditação, quando me sinto una com tudo o que é vivo. Tudo isso para fazer uma pergunta: Qual o sentido da construção de mega templos? E qual o sentido de políticos estarem presentes na sua festa de inauguração? Claramente buscam votos. O Deus dos políticos são os votos. Quando deveria ser o bem estar e a felicidade das pessoas. Que cada um encontre a sua parcela de divino em seu cotidiano, sem que seja necessário o luxo e a ostentação.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

AS ORQUÍDEAS

Nosso jardim atrás da casa, na beira do mar, desafia as leis do vento e do sal: está verde e florido, belíssimo. As orquídeas dão uma festa à parte, explodem suas formas em cascatas, não de água, mas de poesia.
O jardim da casa, cuidado pelo nosso amado Samuel, que vem com suas mão verdes duas vezes por semana, é um contraponto ao horror do mundo.
Humildemente agradeço.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

CATÁLOGO DE BOLONHA

Cheguei ontem em Saquarema. Nana, minha gata, pulou no meu colo e não saiu mais. Luna sempre fica de mal. Só hoje recebi as correspondências em papel. A F.N.L.I.J me enviou o Catálogo de Bolonha. Fiquei então sabendo,com muito atraso, que meu livro Quem Vê Cara Não Vê Coração, ed. Callis, entrou também no Catálogo. Não fui avisada ou quem sabe fui e não me lembro. O livro é uma delícia e sempre faz a festa . Ditados populares que desconstruí e reconstrui brincando com seus sentidos.O Catálogo , embora eu nunca tenha conseguido nenhuma publicação fora do Brasil, para mim, é um grande prêmio, poucos livros de tantos publicados são selecionados e me sinto privilegiada por ter entrado com dois de poesia, além deste, também o Abecedário (Poético) de Frutas, da Ed. Rovelle.

ROUPA SUJA SE LAVA EM CASA

Nem teria graça
lavar roupa suja
no meio da rua,
no meio dos carros,
com o sinal aberto
ou fechado.
Mas em alguns lugares
ainda se lava roupa suja
nos rios
e é uma bela cena
para pintar aquarelas.
também se pode lavar
roupa suja
com água da chuva
mas é perigoso:
a roupa pode ficar
com gosto de céu.


in Quem vê cara não vê coração, ed. Callis.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

ENCONTRO DO CLUBE DE LEITURA NA MONTANHA

Nosso encontro marcado na montanha no último sábado, dia 26 de julho, para discutir os livros Amrik de Ana Miranda e Um bonde chamado Desejo de Tenessee Williams foi envolto em frio, neblina, fogo e emoção. Primeiro chegaram Hélio e Fernando e a lareira já estava montada. Quando chegaram todos, César, Fátima, Chico, Denise, Lenivaldo e Angela  (Evelyn, minha irmã, já estava lá.) o clima era de tanto recolhimento, bem-estar, felicidade que a vontade que tínhamos era de parar o tempo. Evelyn destacou a escrita dançada de Amrik e muitos tiveram dificuldade com sua fragmentação, Fátima achou picotada demais. César navegou em suas águas com facilidade. Felipe começou o livro e não gostou e parou. A dança secreta foi avaliada: será que Amina tirou toda a sua roupa? Lenivaldo destacou a beleza do texto, sua poesia imensa e Hélio e Fernando a perfeita reconstrução histórica. Hélio também nos disse que era a história de qualquer imigrante. A dureza das viagens de navio, a chegada num país estranho, a saudade.Evelyn falou da sensualidade das comidas, dos temperos. Todos falamos da avó e da neta dançando no telhado. Fátima e Denise do espaço que a mulher podia ocupar naquela época, espaço tão restrito e da dança como porta para a liberdade. Todos dissemos o quanto Amina era livre. Lenivaldo e Hélio destacaram a beleza do personagem do tio cego que é o guia de Amina. Falou-se sobre o amor do tio, se seria incestuoso ou não. A maioria achou que não.
E o enigma: com quem ficaria Amina? Com Abraão, para quem Amina dançou a dança proibida, cujo casamento destruiu ou Chafic, o homem idealizado, o que existe e não existe?
Depois da discussão todos concordaram que o livro era belíssimo, acho que até quem não leu, como Angela, mulher de Lenivaldo ou Felipe, que não terminou.
Mas Felipe ressaltou que todos já eram leitores preparados para ler um livro fora da zona de conforto, com uma sintaxe diferente.
Pausa para o café. A lareira crepitava e uma chuvinha tornava a sala envidraçada ainda mais bela.
Então começamos a discutir Um Bonde Chamado Desejo. Felipe nos contou que foi sua primeira prova de teatro, que era seu autor preferido e nos explicou que as indicações supérfluas eram maravilhosas pois apesar de não entrarem em cena, guiavam os sentimentos do diretor. Os dois livros se tocam pois o tema, afinal é o desejo. Já começando pelo título, que na verdade era um bonde concreto que levou Blanche ao encontro da sua última destruição. Desenrolamos o livro como um maravilhoso pergaminho. César nos contou que era o primeiro livro com texto de teatro que lia e que ficou fascinado. Todos comentamos o quanto o final era duro, como era triste, ah, mas antes Felipe quase foi linchado, pois ao estilo Nelson Rodrigues disse que toda mulher gosta de um brutamontes como o Stanley! Discutimos se houve um estupro ou não e relemos o final para afirmar sim, houve, o foi o que acabou de fazer com que Blanche atravessasse o último fio que a separava da loucura. Denise, como psicóloga nos trouxe ótimas confirmações.
E deixamos marcado o próximo encontro para o dia 4 de outubro com o livro Xogum e alguns haicais japoneses ou não. Escolhi um livro daqueles, como disse o Fernando, que se atracam com o leitor, grudam em sua pele, imobilizam o leitor em sua trama.
E o grande prêmio do nosso encontro : um almoço no Babel Restaurante do meu filho André Murray, maravilha das maravilhas.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

CAMINHO DA ROÇA

Amanhã saio de madrugadinha. Caminho da roça. Vou ao encontro da minha neta, meu neto, meus filhos e minha irmã e cunhado. Minha família. Recebo em minha casinha dentro da mata em Visconde de Mauá, o nosso Clube de Leitura da Casa Amarela! Faremos nosso encontro com a lareira acesa pois já sei que o frio é imenso!!! Vamos discutir Amrik da Ana Miranda e Um bonde chamado desejo do Tenesse Williams.
Sonho com o cheiro da mata, em Mauá assumo a minha essência de árvore .
Volto dia 30, se conseguir pescar o Wi-fi do restaurante do meu filho, o Babel, escrevo de lá.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

MANO A MANO

 Hoje dou a voz a um corresponde do Uruguai em Israel que faz parte de um movimento de paz. É esclarecedor. São os religiosos fanáticos que estão no governo dos dois lados que não querem a paz:


Judíos y árabes, israelíes y palestinos nos negamos a ser enemigos
Hemos sido secuestrados, ambos pueblos somos rehenes de los extremistas de ambos lados

QUIQUE KIERSZENBAUM 17 JUL 2014 - 20:50 CEST5


El martes primero de julio, camino al cementerio de Modi'in, miles de israelíes acompañaban los cuerpos de los tres jóvenes secuestrados y asesinados: Gil-Ad Shaer y Naftalí Frenkel, de 16 años, y Eyal Yifrach, de 19. Después de ver las dolorosas imágenes de sus padres despidiéndolos, decidí tomarme un pequeño descanso en el trabajo.

Era el primer día de vacaciones de mi hijo y lo llevé a comprarse unas botas de fútbol como los de Neymar, Gastón Ramírez, José María Giménez y muchos más. Las noticias en nuestra casa invaden cada rincón y me esperaba una larga noche de trabajo. Él se merecía un rato conmigo y también con sus botas, dado el esfuerzo de un año de clases. Así que calculé el tiempo para poder seguir la cobertura desde la televisión y viajamos al centro de Jerusalén. Para quien no ha visitado nunca esta ciudad, el centro consiste en unas cuantas cuadras en forma de triángulo.

Con las nuevas botas en la mano marchábamos por la peatonal Ben Yehuda cuando comencé a captar a lo lejos mucho más movimiento del común: coches de la Policía, policías a caballo y muchos israelíes ultranacionalistas religiosos. Los instintos prendieron luces rojas, pero era nuestro camino.

Al llegar a la plaza Zion, nos vimos envueltos por grupos de decenas de personas, en su mayoría jóvenes, que cargaban pancartas y cantaban "muerte a los árabes" mientras marchaban camino a la ciudad vieja de Jerusalén. No era una manifestación, eran grupos de personas que coreaban sin cesar, una y otra vez, esas palabras cargadas de odio. Traté de evitarlos y cruzamos la calle pero era imposible; el fluir de la gente no cesaba. Unos entraban en negocios, buscando trabajadores palestinos, otros simplemente no paraban de cantar. Me llené de preocupación y de dolor. En las calles de Jerusalén las masas pedían venganza, querían revancha. Daba miedo.

Si bien en mi bolso cargaba con cámaras, el instinto de padre se sobrepuso al profesional. Le tomé la mano a Guil y por una calle lateral lo saqué del centro de la ciudad. Para un niño que crece con árabes en su escuela todo esto disparó miles de preguntas, algunas de las cuales no me atreví a contestar.

Mientras mi mano sostenía con fuerza la suya para transmitir seguridad, mis pensamientos volaban e intentaban interpretar como sus compañeros de clase y sus familias estarían viviendo estos momentos.

Es que mi hijo Guil va a la escuela Mano a Mano, una escuela en donde judíos y árabes estudian y crecen juntos en la ciudad de Jerusalén. Una escuela en la cual el idioma hebreo y el árabe se enseñan como primeras lenguas y además dan espacio al estudio de las culturas y las narrativas de ambos pueblos. En torno a la escuela los padres han creado una comunidad que vive, a veces, en una burbuja necesaria en una ciudad donde el fanatismo y el odio se apoderan de cada rincón.

Después del brutal asesinato de Mohammed Abu Khdeir, decidimos reunirnos, mientras las bandas de ultranacionalistas buscaban sembrar más odio y más violencia necesitábamos estar juntos. Queríamos tomar decisiones operativas, pero también dar el espacio necesario para manejar los miedos, que eran muchos. Como judío y miembro de la comunidad me es claro que el rol que tenemos en estos momentos es con nuestra presencia aliviar, aunque sea un poco, esos miedos, reforzando ese pacto que hicimos cuando decidimos que nuestro hijos crezcan juntos.

Pero las hordas violentas hacían eco de los vientos de guerra que venían del sur en Gaza, en donde una vez mas esta guerra sin fin daba otro golpe, y se apoderaban de la ciudad.

Por eso decidimos marchar juntos, retomar los espacios públicos, caminando sin banderas ni pancartas y con la convicción de que ahora más que nunca, nosotros los miembros de la comunidad Mano a Mano, judíos y árabes, israelíes y palestinos nos negamos a ser enemigos.

Ayer marchamos una vez más, mientras las noticias sobre los cuatro niños muertos en las playas de Gaza por fuego israelí congelaban el corazón y no dejaba pensar en forma clara, nosotros marchamos, porque no permitiremos que la retórica de guerra, los misiles y los cohetes, las victimas y los heridos nos transformen en enemigos. Solo conviviendo, dialogando aprendiendo uno del otro y aceptándonos podremos llegar a una verdadera paz.

Hace tiempo que se habla de una tercera intifada. Soy de los que cree que en ambos lados se ha aprendido sobre el alto precio que se paga en vidas cuando sólo las armas hablan. Sin ningún canal de diálogo, los hechos de los últimos días abren un nuevo capítulo violento que pone en peligro la frágil estabilidad de la zona.

Sin un acuerdo de paz que busque una solución justa para ambos pueblos, que les permita vivir en paz y en seguridad y que termine con la ocupación israelí en Cisjordania, la violencia volverá, siempre. Un cartel que circula en las redes sociales anuncia: "Hemos sido secuestrados, ambos pueblos somos rehenes de los extremistas de ambos lados, Israel-Palestina 2014".

Quique Kierszenbaum es fotógrafo, videógrafo y periodista uruguayo. Corresponsal de Televisión Nacional de Uruguay en Medio Oriente. Twitter @Quique_K

quinta-feira, 17 de julho de 2014

CRIANÇAS PALESTINAS

Ontem vi e ouvi crianças palestinas da Faixa de Gaza pedindo paz.
Governantes não são humanos. Matam e matam, de uma forma ou de outra, quando roubam ou desviam dinheiro ou superfaturam obras que caem, estão matando. Onde fica dentro deles o olhar para o outro, a compaixão? Onde fica o UBUNTU? Eu existo porque você existe.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

ESPERANDO VISITA

Esta casa aberta para os ventos e o mar adora receber visitas. Este final de semana recebo uma amiga querida de Joinville, irá para o encontro do Clube de Leitura na montanha. Recebo um casal de amigos-irmãos e a casa estará lotada, cheia de vozes e histórias contadas, não ao pé do fogo, mas dentro da música do mar, que nunca se apaga.

Uma questão que nunca me sai da cabeça: como as crianças interpretam o mundo?  O que é fantasia e o que é real se misturam e para eles o mundo ainda é mágico. Falam sozinhas, interpretam personagens , gostam de se fantasiar. Sou muito privilegiada : escrevo poesia para crianças

Tomar café ainda no escuro, às 5h e ver o dia acordando neste lugar tão belo, é uma das melhores coisas da vida.

terça-feira, 15 de julho de 2014

CANAL FUTURA

Acabo de voltar da gravação do programa que vai ao ar no Canal Futura no ano que vem. É uma série de seis programas e a Roda de Leitura aconteceu na biblioteca da E.M.Gustavo Campos aqui em Saquarema. Foi um encontro maravilhoso com a meninada,pura emoção. Fizemos a Roda com meu livro Poço dos Desejos da ed. Moderna e tudo terminou com um abraço coletivo. A professora Paula faz um belo trabalho com eles , pois leram magnificamente os meus poemas.  Estou em estado de pura felicidade.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

FINAL DA COPA-FIM DA FESTA

A Alemanha nos deixa uma linda lição: o trabalho contínuo ao longo do tempo feito com alegria. Quando levava meu filho Guga para as aulas de violão com a Celia Vaz na sua infância, na parede da sala da Celinha havia um cartaz com uma frase do Stravinsky que dizia mais ou menos assim: O talento é o exercício de um dom. A Alemanha investiu pesado na formação dos seus atletas e é isso que há que fazer com todos os esportes. Teremos as olimpíadas e vamos ver quantas medalhas de ouro o Brasil vai conseguir. Atletas no Brasil sofrem por falta de apoio. Esporte, arte e leitura salvam vidas. Meninos deixariam de entrar no tráfico por ter a vida vazia, só isso já bastaria para que o governo, como fazem na Alemanha, investisse de verdade nas escolas, numa educação que fosse bem além da sala de aula.
Eu tento formar leitores principalmente conversando com os professores. Um professor leitor irá pensar a sua aula com mais criatividade e alegria. Mas o trabalho com leitura tem que ser diário e contínuo. Acumulativo. As festas são a explosão de alegria do que foi feito ao longo do tempo.
Amanhã vou gravar para a TV Futura uma roda de leitura na E.M Gustavo Campos aqui em Saquarema. Confesso que estou um pouco assustada, pois não conheço as crianças e vamos fazer uma roda com poesia e seja o que Deus quiser. Tomara que eles façam bonito.Será tudo sem nenhum ensaio prévio, nem mesmo tive um encontro antes com eles. Haja frio na barriga!  

domingo, 13 de julho de 2014

O QUE FICA?

Depois do desastre da nossa Seleção devemos nos perguntar: O que fica desta Copa além dos estádios? E muitos nem foram terminados. Os transportes melhoraram?  O trabalhador continuará perdendo horas num ônibus cheio, num trânsito caótico, para chegar ao trabalho. Os hospitais melhoraram? Construiram novos hospitais? A educação melhorou? Os professores finalmente irão ganhar um salário digno?
Se a Seleção brasileira tivesse chegado até a final e hoje fosse a Campeã,pelo menos haveria uma felicidade coletiva correndo pelas veias do país e demoraríamos mais para nos perguntar: O que fica?
Tanto dinheiro foi gasto e tanto há para se fazer, que gastar menos bilhões para investi-los em bens de verdade teria sido muito mais razoável. Fica cada vez mais difícil sonhar com um Brasil com menos injustiça, com mais equilíbrio entre as classes sociais. 

sábado, 12 de julho de 2014

CHUVA E LUNA

Choveu a noite inteira, até dentro do meu sono. Luna, minha gata persa que já tem 14 anos, tem um apartamento fora da casa, pois não suportou a companhia da Nana, nossa gatinha branca e preta. Ela dorme fechada, pois tenho medo de gatos de fora. Ela tem a sua caminha que ama, escondida ao lado da máquina de lavar, sua comida, sua areia, é um apartamento completo no jardim.Hoje, quando abri a porta às 6 horas, chovia e ela olhou para mim, muito mau humorada e fez um discurso imenso, na verdade me deu uma bronca e tanto, como se eu fosse a responsável pelo tempo. Argumentei, mas claro, gatos não aceitam argumentos humanos. Está bem Luna, vou encomendar o sol!

sexta-feira, 11 de julho de 2014

BISTRÔ FRANCÊS

Meu filho André vai abrir um bistrô francês em Resende e tem alguns amigos franceses que dão um apoio para escolha de músicas, cartazes, etc. Fiquei tão entusiasmada que fiz um poema em francês para o bistrô . Meu francês escrito está esquecido e enferrujado, mas não sei como, as palavras chegavam. Não tenho com quem falar e ainda bem que tenho o canal francês que vejo por uma hora todos os dias religiosamente. Perder uma lingua que a gente adquiriu com estudo e esforço é muito triste e não gostaria que isso acontecesse outra vez, pois já falei hebraico fluentemente e não sei mais nem uma palavra ou apenas umas duas, eu te amo, eu sei falar. Estudei 5 anos de hebraico quando criança.
E por falar em hebraico que horror toda esta guerra. Mas por que não fazem logo um Estado Palestino, com meia Jerusalém para cada lado? Que estúpidos são os políticos que nunca quiseram a paz, dos dois lados.
Só a paz constrói e os escombros que no noticiário enchem nossos olhos são a paisagem mais estéril e aterradora.
Como judia tenho vergonha de todas estas mortes.
 

quinta-feira, 10 de julho de 2014

DUAS CASAS

Conheci Elvira Vigna na década de 70. Ela tinha alguns livros maravilhosos publicados e eu tinha um original no bolso.Ela gostou, ilustrou sem me pedir nada em troca, uma ilustração lindíssima em preto e branco e consegui publicar o Fardo de Carinho em 1980. Nesta época eu ainda morava em Visconde de Mauá.
Depois fizemos muitos livros juntas. E outros livros nos separaram. Agora voltamos a trabalhar juntas outra vez. E depois do e-book que está no meu site, veio o Carteira de Identidade e Cinco Sentidos e Outros. Agora ela faz um texto novo que sairá pela Lê Editora no ano que vem, o Duas Casas e estou radiante.
Trabalho quietinha e sem cessar. Às vezes me sinto uma aranha tecelã. Tenho sempre algo em gestação.
Sempre me perguntam: o que te inspira? Tudo. Escrevo a vida. Escrever a própria vida me ajuda a viver. 

quarta-feira, 9 de julho de 2014

CANAL FUTURA

Hoje de manhã me telefonaram da E.M Gustavo Campos daqui de Saquarema com uma linda notícia: A Escola foi muito bem avaliada no IDEB e o Canal Futura foi até lá para saber os motivos. Dentre eles, as Rodas de Leutura que eu impalntei na Escola em 2002 junto com a Secretaria de Educação. O Canal Futura quer então gravar uma Roda de Leitura e quer que eu seja o Leitor-Guia. Estou orgulhosa e radiante.
Propus meu novo livro Poço dos Desejos e se a minha ideia for aceita ficarei mais feliz ainda. A gente planta uma semente e tantos anos depois a árvore cresceu e dá frutos. Plantamos uma paineira tão pequenininha lá em Visconde de Mauá, na descida para o gramado, em 1979, eu acho. Hoje é uma árvore gigante e enche nossos olhos de flores cor-de-rosa e o gramado fica lindo, todo salpicado. Toda semente contém vida. 

segunda-feira, 7 de julho de 2014

ANJO DA GUARDA

Juan arias escreveu um livro sobre os anjos. São figuras antiquíssimas. Amo os anjos pela sua beleza, por serem alados, pela sua poesia. Acho que cada humano é o anjo de alguém. E tantas vezes, em meio a dificuldades imensas , um anjo apareceu para me ajudar. Também adoro a ideia de ter um anjo da guarda, cada humano com seu anjo.
Outro dia meu neto Luis disse que sonhou com seu anjo da guarda e que ele afastava os pesadelos.
Quando eu era criança , não gostava de comer,e tecia , na frente do prato, a fantasia de que meu anjo da guarda viria comer por mim!  
Tenho muitos limites físicos, são tremendos e me impedem de fazer as coisas mais simples. Desde 1993, quando operei a coluna e a cirurgia não deu certo, a minha vida é um aprendizado constante de lidar com os limites e a dor. Para mim os anjos são muito necessários, é uma questão de sobrevivência. Eles me ensinam que apesar de todos os limites eu posso voar .

domingo, 6 de julho de 2014

O VENTO

Em Saquarema o vento tem voz: os sinos tocam na varanda, os coqueiros e as palmeiras cantam com um som bem grave e o mar faz a base com seu vai e vem e explode ou não explode. Não tenho vontade de falar. Eu me sento na varanda e me entrego ao vento. Deixo que desarrume meus pensamentos,que me traga os cheiros do sal e da terra, dos amigos distantes.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

ESCOLHAS

Nossa vida é um percurso sinuoso feito de escolhas e acasos, esquinas e às vezes ruas que parecem sem saída até que conseguimos abrir suas portas com um poema ou uma palavra mágica.

ESCOLHA

Como escolher o caminho
e onde passar o rio,
e o salto que nos fará
mais humanos,
mais bailarinos?

Há uma voz que diz:
Confie.

in Cinco Sentidos e Outros, ed. Lê

quinta-feira, 3 de julho de 2014

DE QUE SERVE?

De que serve o passado? Não posso ficar presa em sua teia , isso é perigosíssimo, pois me impediria de viver o presente. Mas o passado é lastro, substância, raiz, para que eu possa viver o presente e então construir um passado contínuo, já que o presente, um segundo depois já é passado.Mas desconfio que o verdadeiro passado, a verdadeira pátria seja a infância. Tenho que carregar a menina que fui com cuidado, pois nela meus sonhos já estavam embutidos, ela é um cristal e um talismã. Tenho que carregar a casa, e às vezes alguns sons são o fio que me conduz até ela, um latido de cachorros ao longe, vozes de crianças, cantigas de rodas, pois havia um orfanato em frente. E escuto as vozes e saber que isso existiu, eu estive aí por tantos anos, me forra por dentro.
Tudo o que vivi, tudo o que vivo, uso em meus poemas. Minha memória, minha vida, é a matéria prima que utilizo. Tudo o que li, tudo o que sonhei, imaginei, me ajuda a construir um poema.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

POÇO DOS DESEJOS

Recebi meu novo livro POÇO dos DESEJOS, ed. Moderna. Somos seres desejantes. Mas possuir desejos que incluam a felicidade do outro produz mais felicidade do que desejos egoístas. É um fato comprovado pela neurociência. Li sobre a seguinte experiência: um número de pessoas recebeu uma quantidade X de dinheiro para gastar apenas consigo. Outro número de pessoas ganhou a mesma quantidade de dinheiro para gastar realizando desejos de outros, por exemplo, uma viagem a um sobrinho, um curso de línguas para um amigo, etc. A felicidade do primeiro grupo foi muito menos duradoura do que a do segundo grupo. Isso pode ser medido pelas áreas envolvidas no cérebro.
Foi maravilhoso fazer o livro. Busquei meus próprios desejos, perguntei para muita gente sobre seus desejos. Gosto das ilustrações do Samuel Casal.Já experimentei os poemas com uma turma do Café, Pão e Poesia (meu encontro com leitores de escolas públicas aqui em casa) e foi divertidíssimo, foi ótimo.
Meu amigo Maurício Leite está profundamente envolvido com o livro, pois foi quem me deu a ideia com sua exposição de brinquedos onde havia um poço dos desejos. Eu amo o Maurício, quase nunca nos vemos, mas não é necessário, há um fio azul que liga nossos corações e faz uma estrada por onde a amizade caminha.

Vai um poema do livro:
DESEJO DE SER OUTRA PESSOA
Este é um desejo bem esquisito
mas existe.
Às vezes, exausta de mim,
queria ser outra pessoa
com outro rosto, outro corpo,
mas principalmente
outros talentos.
Se não sei dançar, a outra saberia,
se não sei nadar e não toco nenhum
instrumento,
a outra saberia.
Sendo medrosa, a outra seria
corajosa,
se não sei andar de bicicleta,
a outra andaria.
Se não sei costurar nem bordar
e a minha roupa anda sempre desarrumada,
a outra seria elegante.
E de trás pra frente, de frente
pra trás,
tudo seria diferente.     

terça-feira, 1 de julho de 2014

CHEGADA

Chegar em casa é uma maravilha. A casa nos acolhe, os objetos , onde depositamos tanto amor. Nana e Luna, as gatas, me receberam emocionadas. Ainda estou gripada, muitos dias de gripe, ainda estou cansada.
Esta casa é um moinho, de ideias, de amigos, de poesia. Agora tocam a campainha, uns jornalistas espanhóis chegam para entrevistar o Juan.
A temperatura é paradisíaca, o mar está lindo. Enfim, cheguei.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

PESSOAS NÃO HUMANAS

Quando vou acender o fogo aqui na montanha, uso jornal antigo. Tenho a mania de separar as notícias interessantes para ler. Ontem li uma matéria sobre as orcas e os golfinhos que trabalham em regime de escravidão em Parques Aquáticos da cadeia Sea World. Golfinhos e baleias são inteligentíssimos e é insuportável para qualquer pessoa de bom senso e sensibilidade participar desta crueldade. Ficam confinados num espaço exíguo fazendo sempre e sempre os mesmos movimentos para nossa diversão. Assim como os zoológicos e os aquários gigantes, deveriam ser proibidos , mas movimentam muito dinheiro, dinheiro de verdade e se não forem proibidos por lei nunca irão fechar.
Ao contrário dos japoneses, tão refinados em tantas coisas, tão delicados na sua poesia, mas que caçam e matam sem nenhum pudor estes animais, os indianos criaram um termo lindo : golfinhos e baleias são PESSOAS NÃO HUMANAS e não podem matá-los. Nossas gatas também são pessoas não humanas, entendo tudo o que falam e todas as suas expressões e quem tem cachorro sabe muito bem que eles falam claramente, há apenas que apurar o ouvido para entender as nuances. Minha gata Nana tem um miado diferente para cada coisa que deseja e a Luna, a nossa gata persa , já senhora, não mia, ela fala mesmo, felinês.
Baleias cantam, golfinhos dançam, todas as vidas não humanas se expressam (só não consigo entender os insetos, mesmo assim, quando encaro uma aranha grande e aqui há muitas, sinto que ela tem inteligência, ela me olha e arquiteta a sua fuga, tenho pavor de aranhas!)
A matéria era de fevereiro e me deixou um pouco abalada, pois não estava pensando na dor física e psicológica dos golfinhos e baleias enquanto acendia o fogo. E agora nadam na minha mente.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

APELO POÉTICO

A E.M HERMANN MULLER, na zona rural de Joinville é a escola mais emocionante que já conheci, mostrando no pequeno como se pode transformar seres humanos e toda uma comunidade com poesia.Quando fui convidada a ir pela primeira vez até a escola, num evento maravilhoso chamado "Café, Flor e Poesia" fiquei tão impactada, parecia que todos os meus sonhos de educação estavam se concretizando ali, bem na minha frente. O mesmo sentiu Leonardo Boff quando foi visitar a escola, que aliás recebe visitas de todos os lugares e já ganhou muitos prêmios.
Silvane Silva, a Diretora, recebeu uma escola sem vida e ao longo de uns 10 anos transformou a escola, transformou seres humanos, transformou a comunidade inteira. Com poesia.
Agora recebo a notícia aterradora para quem ama educação e poesia de que Silvane será destituída do cargo.Irá para um ônibus itinerante de livros. O ônibus não precisa da Silvane, mas a Escola sim. É referência para o Brasil.   E, infelizmente, o motivo deve ser político, não vejo outro motivo.
Que os Deuses da Poesia me ajudem e quem possa ajudar , por favor, ajude.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

ARIRANHA

Outro dia vi uma ariranha cruzar a estradinha da minha casa.Parecia um gato imenso, era linda. Hoje bem cedo, tomava café dentro de casa, as primeiras luzes começavam a acender a manhã, vi como um gato preto grande. Quando fui lá fora, havia um abacate meio comido no chão da varanda, mas o abacateiro fica longe. Perguntei ao Milton, nosso caseiro, sobre este mistério e ele disse que era coisa de ariranha. Achei que elas comiam peixe no rio, não sabia que comiam frutas.
A minha casinha só recebe o sol lá pelas 9:30h. Vim para a varanda do Babel Restaurante olhar as coisas na internet e receber o sol que aqui chega primeiro. Meu pai me contava que em sua aldeia na Polônia  o frio era terrível, a maior felicidade era um raio de sol. Vivemos num país de clima tão esplêndido e muitas vezes nem nos damos conta. Que tristeza passar frio de verdade.
Temos uma única palavra para a cor verde. E falamos suas nuances com um verde composto: verde-claro- escuro-alface-musgo verde-perto-verde-longe.  Gostaria de derramar no texto todos estes verdes que enchem meus olhos.

terça-feira, 24 de junho de 2014

FRIO

Amo o frio, mas tenho a mania, aqui em Visconde de Mauá, de acender o fogão, ficar sentada em frente ao fogo e dar um pulinho lá fora para ver a vista. Peguei então uma gripe bem forte. Preciso ficar boa, pois hoje volto para a minha casinha e lá é mais frio ainda. Estou no  Ateliê de Cerâmica da minha irmã. Soube que ontem fez 9 graus lá pra cima. Tenho dois livros imensos para ler, de uma romancista espanhola contemporânea chamada Almudena Grandes. É uma boa romancista. Literatura e fogo, não para queimar os livros!!! mas para dar um aconchego... isso é o paraíso.
Estou tão fora das atrocidades do mundo aqui na montanha... Passei dois dias com meu neto Luis em Resende e ele perguntou no café da manhã: _ Mamãe, onde eu estava antes de entrar na tua barriga? Eu o levei para brincar na pracinha em frente da Igreja do Rosário de 1825, construída pelos escravos. Eu e meu neto fomos visitar a Igreja, simples e emocionante, saber do esforço que foi despendido para levantá-la, por mãos sofridas, por corações massacrados.  Sou judia, mas Igrejas simples tocam minha alma. Um velhinho varria e logo começamos a conversar. Seu nome é Seu João e logo ficou amigo do Luis e nos mostrou as coisas dentro da Igreja que ainda eram originais.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

INÉDITOS DE NERUDA

O jornal EL PAÍS conta que foi encontrada uma caixa com inéditos de Neruda:


“Reposa tu pura cadera y el arco de flechas mojadas
extiende en la noche los pétalos que forman tu forma"...
Ni en su madurez Pablo Neruda se olvidó del amor como refugio poético.
..."que suban tus piernas de arcilla el silencio y su clara escalera
peldaño a peldaño volando conmigo en el sueño
yo siento que asciendes entonces al árbol sombrío que canta en la sombra
Oscura es la noche del mundo sin ti amada mía,
y apenas diviso el origen, apenas comprendo el idioma,
con dificultades descifro las hojas de los eucaliptos”.
Son ocho del botín de más de mil versos de la veintena de poemas inéditos de Neruda (1904- 1973) recién descubiertos. Van 21. Y podrían ser más. Y no solo poemas, sino también algo de prosa, discursos o conferencias escritas entre 1956 y finales de los años sesenta. El hallazgo literario más importante del Nobel chileno con una gran presencia del tema amoroso y erótico. A su lado, versos sobre la naturaleza o Chile que aguardaban ser encontrados en el archivo de la Fundación Pablo Neruda, en Santiago de Chile.
Escritos muchos en el modesto y amarillento papel roneo, son poemas cortos algunos, y otros tan largos que ocupan hasta siete y nueve páginas.
Originales inéditos de Neruda, en su Fundación en Santiago de Chile.
Poemas dispersos a lo largo de más de una década que aún no se sabe por qué no entraron en los libros de la época. El anuncio lo ha hecho la editorial Seix Barral, en Barcelona, que los publicará a finales de 2014 en Latinoamérica y principios de 2015 en España bajo el título de Poemas inéditos. Pablo Neruda.
En los poemas se ve el poderío imaginativo, la desbordante plenitud expresiva y el mismo don, el apasionamiento erótico o amatorio
Versos que alumbran más zonas del universo nerudiano y lo expanden. “No son poemas cualesquiera”, afirma Pere Gimferrer, poeta y experto de Seix Barral, que ha quedado impresionado tras su lectura. Un asombro que le ha hecho decir que muestran un Neruda con “el poderío imaginativo, la desbordante plenitud expresiva y el mismo don, el apasionamiento erótico o amatorio que para la invectiva, la sátira o el mínimo detalle cotidiano convertido en poema. Es decir, por igual el Neruda de Odas elementales y el Neruda de La Barcalora, el de Memorial de Isla Negra e incluso el de Estravagario”.
Nunca dejó de lado el amor y sus laberintos ya andados, pero siempre desconocidos; como estos poemas escritos tres y cuatro décadas después de que se hiciera popular, en 1924, con Veinte poemas de amor y una canción desesperada.
El amor como compañía, refugio e inspiración tras los tiempos del exilio, del reencuentro con Chile y de su veta política. Son los años en los que ya separado de su segunda esposa conoce a Matilde Urrutia, la pasión de su vida.
El botín de inéditos estaba a una temperatura controlada en varias cajas de conservación especiales llenas de carpetas con páginas manuscritas y mecanografiadas de toda su obra. La Fundación, recuerda su director Fernando Sáez, las recibió hacia el año 1987 tras la muerte de Matilde Urrutia. Durante varios años, el material fue ordenado, clasificado, fotocopiado, escaneado y desde hace tres años revisado exhaustivamente, página a página, para cotejar qué había sido publicado y qué no.
Eso ha hecho Darío Oses, encargado de la Biblioteca de la Fundación, desde julio de 2011. Leer y expurgar hojas y hojas y hojas escritas con la letra grande y clara de Neruda, o mecanografiadas, pero corregidas con su puño y letra, hasta ir dando forma y brillo, sin buscarlo, al nuevo tesoro nerudiano. Lo que prueba, según Oses, es que “Neruda sigue siendo un poeta inagotable que siempre permite nuevas lecturas, como los clásicos”.
Fragmento inédito de neruda
"Reposa tu pura cadera y el arco de flechas mojadas
extiende en la noche los pétalos que forman tu forma
que suban tus piernas de arcilla el silencio y su clara escalera/peldaño a peldaño volando conmigo en el sueño
yo siento que asciendes entonces al árbol sombrío que canta en la sombra
Oscura es la noche del mundo sin ti amada mía,
y apenas diviso el origen, apenas comprendo el idioma,
con dificultades descifro las hojas de los eucaliptos".
El trabajo de investigación y auditoría ahora se ha repartido entre la Fundación y Seix Barral para fijar el número total de poemas y textos que el Nobel escribió y que merecen la pena publicarse. “Es un gran descubrimiento no solo por su condición de inéditos, sino también por la extrema calidad de varios poemas”, asegura Elena Ramírez, directora editorial de Seix Barral. La edición, agrega, irá acompañada de anotaciones y todas las explicaciones necesarias.
Son sus terceros inéditos que aparecen. Previamente están El río invisible (1980), que incluye poesía y prosa de juventud, y Cuadernos de Temuco (1996), poemas de adolescencia, ambos publicados por Seix Barral.
El nuevo libro coincidirá con el 110º aniversario del nacimiento de Neruda, este 12 de julio, y los 90 años de la publicación de Veinte poemas de amor y una canción desesperada.
“Con dificultades descifro las hojas de los eucaliptos”, escribió Pablo Neruda en uno de los versos que ahora ha visto la luz. Y con asombro y dificultad todos los que han leído estos 21 poemas se preguntan qué habrá sucedido para que esos mil versos se quedaran en la orilla del camino"


quarta-feira, 18 de junho de 2014

BABEL E ATRIUM

Para escrever o blog , olhar o facebook, responder minhas mensagens, fazer minha aula de italiano, tenho que vir até a varanda do Babel, um restaurante mágico e improvável, pois quando meu filho fez o restaurante na varanda da que era a minha casa de tijolinho, eu pensava: quem virá até aqui, pois já é difícil chegar a Visconde de Mauá, mas no alto do Vale do Pavão, onde a estrada é muito ruim... meu coração de mãe ficou muito assustado com um empreendimento tão louco. Mas o Babel , por sua magia, pela arte do André e da Daniela Keiko, é um grande sucesso, com pessoas que às vezes chegam de muito longe só para comer aqui com a vista estonteante do  nosso parque, da nossa mata. Agora o Babel vai abrir suas portas também em Resende, na linda casa do André, numa versão Bistrô Francês, só para almoço. Novamente meu coração de mãe bate as asas assustado, mas Resende é mais fácil do que Mauá e com suas mãos mágicas André vai encher a casa.
E meu filho músico já está com sua Escola de Música Atrium na casa nova, a casa mais bonita de Resende. Um casarão de 1910 totalmente preservado, na frente da Igreja do Rosário de 1826. A Atrium está abençoada e será uma grande aquisição para Resende, uma cidade bem pouco cultural. Também ao lado da Igreja fica a Biblioteca Municipal de Resende. Ou seja, música e livros e um Bistrô Francês.  Vibro com meus filhos artistas , torço tanto por eles!
Este sábado vou dormir com meu neto em Resende que ontem quando fui embora chorava em silêncio, os olhos vermelhos, as lágrimas escorrendo... que avó aguenta isso?   

sábado, 14 de junho de 2014

PENSAMENTOS

Aqui na montanha parece que o tempo interno e externo fluem juntos no mesmo rio. Aqui fica claro que de nada adianta querer controlar os acontecimentos que não dependem de nós. Eles acontecem, irão interferir em nossas vidas, mas temos que relaxar o corpo e navegar junto com eles.

Penso: o século XX foi terrível com duas grandes guerras. No século XXI pequenas guerras aqui e ali ,mas muitas muitas mortes e tragédias pessoais, muita fome, abandono de países inteiros. Parece que o homem precisa matar. E o advento do homem-máquina. As máquinas são agora parte de nosso corpo, uma extensão.Essa novidade deslocou os sentimentos. Parece que agora vivem na periferia do ser. Há que resgatar os sentimentos. Trazê-los novamente para o centro de nossas vidas. Não existe nada mais curativo que o amor.  

sexta-feira, 13 de junho de 2014

NA MONTANHA

Estou aqui, na varanda do Babel Restaurante do meu filho André, onde tem wi-fi.
Chegar na minha casinha em Visconde de Mauá é uma emoção tão intensa que não consigo descrever.
Tudo me acolhe. A mata me abraça e vou me dissolvendo. Faz frio e o fogo deixa a casa aquecida e perfumada. Aqui, onde não há ruas ou carros , nenhum barulho , apenas a música sem partitura da natureza, apenas existo, apenas isso. O prazer de simplesmente existir.

terça-feira, 10 de junho de 2014

MADRUGADINHA

Gosto de acordar cedo , mas hoje exagerei um pouco. Levantei às 3 horas. Não gosto de ficar na cama tentando dormir, então me levanto, faço um café dentro do silêncio espesso da casa, só a música do mar.
Hoje vou para a montanha. Lá na mata o silêncio é outro e também a escuridão.
Metade de mim é mar, metade é montanha. Vou envelhecendo devagarinho, cheia de águias e águas. E também conchas e árvores. Dá para notar na pele as camadas do que já foi vivido, as travessias. O corpo é pesado, tem raízes profundas, mas a alma é inquieta e voa, pássaro, borboleta, gaivota...