segunda-feira, 7 de agosto de 2017

VISITA NA CASA

Hoje recebo a visita mais especial do mundo:
Minha neta Gabi. Não me canso de acompanhar seus jogos, teatros, brincadeiras. É matéria em estado de luz para a minha poesia. Ela tem 3 anos e meio e não se cansa de me surpreender.
Sorte do poeta que escreve para criança e tem uma neta ao alcance da mão.

domingo, 6 de agosto de 2017

DESPERDÌCIO

Hoje, não sei porque, viro e reviro a palavra desperdício. O que se perde por descaso, descuido, o que o Brasil desperdiça, começando por seus jovens, milhares de talentos desperdiçados, ano após ano, com uma Educação que não voa, que não faz pensar, que parece que prefere deixar tudo assim mesmo. O Brasil desperdiça sol e vento. Quantos países gostariam de ter a quantidade de sol e vento que temos para gerar energia!
E o lixo? Já há países com lixo zero. E aqui desperdiçamos essa grande fonte de riqueza. Do lixo absolutamente tudo se recicla, se aproveita.
Desperdiçamos a capacidade das crianças de aprender outra lingua. Espanhol, por exemplo, já que somos uma ilha de português cercada de espanhol por todos os lados! Uma língua que se aprende é um tesouro extraordinário.
Todas as escolas deveriam ter uma máquina mágica farejadora de dons. E dar a cada aluno a chance de exercer esses dons.
Desperdiçamos o tempo que uma criança passa na escola, quando não recebe fartas doses de literatura e arte.
Sem desperdiçar tudo isso que imenso seria o Brasil.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

PRECONCEITO E LITERATURA

Quando era uma criança de classe média na década de 50 (meus pais tinham um armarinho no Grajaú, um belo e pacato bairro da zona norte do R.J), ninguém do meu convívio era separado. Havia apenas um caso escandaloso na família, sussurrado. Uma bela mulher que teve um filho de um amante.
Casamento tradicional era a regra. As pessoas se suportavam ou amavam ou odiavam mas ninguém se separava. Era estigma.
Isso na classe média. Na classe pobre, onde eu também vivia pelas mãos da Eunice, minha mãe negra, ser separada, mãe solteira e etc era muito comum. A própria Eunice era separada e criava seu filho Aderbal sozinha. Ele se hospedava durante a semana na casa de uma familia na favela das redondezas e íamos sempre visitá-lo na casa da D.Edméia, com suas duas filhas lindas da minha idade e eu nunca ouvi falar de nenhum marido. Passei horas maravilhosas naquela casa em cima do morro onde o afeto era a regra. Uma casa muito melhor do que a minha casa triste.
Faço um corte e passo para um encontro na minha casa em Saquarema com professores e a Secretaria de Educação , não me lembro o ano.
Uma professora levava uma camiseta com o desenho de um casal e um filho e a frase:
Família tradicional: Eu apoio.
Mas não se trata de apoiar ou não.
A família mudou.
Mudou radicalmente.
Hoje existem muitas constelações familiares diferentes.
Duas mulheres, dois homens, uma mulher e um homem, uma mulher sozinha, um homem sozinho e um filho.
O que importa mesmo é o amor.
É isso que conta.
E não será expulsando livros de literatura que falam do assunto que se manterá a familia tradicional.
Quero colocar bem clara a minha posição:
Todo preconceito é uma tentativa desesperada de manter uma realidade que não se sustenta.
As religiões não deveriam legislar sobre a família mas apenas fortalecer o amor entre seres humanos.
Devemos nos indignar contra qualquer tipo de censura e preconceito.
Somos todos frágeis e mortais e insignificantes frente ao universo.
Que nenhum livro seja banido por tocar em temas desagradáveis para alguns. Que a qualidade do livro seja sempre o mais importante. E que se saiba que a criança está sempre apta a discutir qualquer tema com delicadeza.